História

Porto de Galinhas 

Ipojuca é um município brasileiro do estado de Pernambuco formado pelo distrito sede e distritos de Camela e Nossa Senhora do Ó e pelos povoados das praias de Porto de Galinhas, Muro Alto, Cupe, Maracaípe, Serrambí, Touquinho, Suape e seus engenhos.

A colonização de Ipojuca teve início em 1560 após a expulsão dos índios Caetés e outras tribos do litoral sul de Pernambuco. A partir daí, os colonos puderam migrar para as terras férteis e ricas em massapê de Ipojuca. Essas terras são bastante propícias para o cultivo da cana-de-açúcar o que causou um rápido surgimento de diversos engenhos na região. Entre os pioneiros estavam as famílias Lacerda, Cavalcanti, Rolim e Moura.

Quando os holandeses invadiram Pernambuco já haviam diversos engenhos estabelecidos na região. Este local participou da resistência aos holandeses, sob a liderança do Capitão-mor Amador de Araújo em uma luta iniciada em 17 de julho de 1645. A derrota holandesa deu-se em 23 de julho de 1645.

Dessa forma Ipojuca consolidou-se como uma das mais importantes regiões do Sistema Colonial. Com dois portos (Suape e Porto de Galinhas) além da maior várzea de massapê do Nordeste, Ipojuca fazia parte do triangular comércio colonial. Porto de Galinhas ganhou esse nome porque era assim que se referia aos escravos chegados da África naquele período.

O distrito de Ipojuca foi criado pela lei municipal de nº 02, de 12 de novembro de 1895. A vila surgiu com sede na povoação de Nossa Senhora do Ó e depois foi transferida para a povoação de São Miguel de Ipojuca.

Com o Decreto estadual de nº 23, de 4 de outubro de 1890, a sede foi restabelecida em Nossa Senhora do Ó. Há inúmeras controvérsias sobre a data de fundação de Ipojuca, mas, segundo um vigário da freguesia seria no ano de 1596.

A origem do seu nome vem do tupi guarani Iapajuque, que significa Água Escura.